23 de set de 2016

Por que você não se retira? II


Para a maioria das pessoas o silêncio é um tédio.
Essas pessoas não suportam estar com elas mesmas. Quando não têm nada pra fazer ligam pra alguém, entram na internet, ligam a televisão, enfim... Fogem delas mesmas.
Elas permanecem na superfície, escolhem viver na superfície – e pensam que são livres. Acabam perdendo a oportunidade de se observarem, de conhecerem um pouquinho de si mesmas.

O mestre Zen Tokusan diz:
Retire-se! Se existe escuridão do lado de fora, algo pode ser feito. Se seu corpo está doente, você pode procurar um médico, mas se é o seu Ser que está doente, então nenhum médico poderá auxiliá-lo – você é que tem de fazer algo. O mestre pode apenas trazê-lo para este ponto em que apenas você pode fazer algo. Se alguém puder penetrar no seu interior, então esse lugar não é o seu interior, porque como pode alguém entrar no templo mais interior do seu Ser¿ Apenas você existe aí, na sua total solidão.
No seu mais íntimo ser, você é totalmente só – ninguém pode entrar aí. Nem mesmo um mestre iluminado pode entrar aí. No centro de um círculo pode haver apenas um ponto, não dois. Se existirem dois, ainda não é o centro.
Você está no ponto mais profundo do seu ser. O mestre pode auxiliá-lo a tornar-se alerta para esse fato. E, uma vez que você conheça o ponto mais profundo do seu ser, toda doença interior desaparecerá. Quando você aceitar sua total solidão, você será liberdade, não haverá nenhum apego – então, o amor poderá fluir!
Na realidade, apenas nesse momento o amor pode fluir, porque então o amor não é uma dependência, você não é dependente do outro. Quando você depende de outra pessoa, ao mesmo tempo se sente contra ela – porque tudo o que o torna dependente é seu inimigo, não pode ser seu amigo. Assim os amantes continuamente brigam, porque o amado é o inimigo. Quando você se torna dependente, não pode viver sem ele ou ela. Sua liberdade é destruída, e qualquer amor que destrói a liberdade mais cedo ou mais tarde transforma-se em ódio.
Apenas o amor que lhe dá liberdade nunca se transforma em ódio, é eterno. Assim, apenas um Jesus, um Buda, pode amar eternamente. Com eles, a mesma harmonia continua.
No verdadeiro pico, você está só. No mais íntimo centro do seu ser você é só. Quando você aceita isso, então o amor pode fluir como o Ganges. Então, nenhuma perturbação existe, e você pode amar sem qualquer condição. Então você pode amar sem tornar-se dependente, sem fazer da outra pessoa dependente de você. Assim, o amor pode ser uma liberdade.
A palavra “solidão” não é boa porque carrega em si uma tristeza – por sua causa, não por causa da palavra. Por causa das velhas associações, você sempre se sente triste quando está sozinho.
Lembre-se disto: quando você chegar ao âmago do seu centro, você não estará solitário, estará só! Essa solidão não é um vazio – é um preenchimento. Essa solidão não é vazia, é transbordante. Essa solidão não é um vácuo, é o Todo.
Tudo que o mestre pode fazer é torna-lo alerta para este fato; ele apenas o acorda para a verdade – o tesouro está escondido aí – e você nunca olhou para ele. Seu Ser já é iluminado!

Se você não pode olhar para dentro e ver a escuridão em que está vivendo, a escuridão da mente... Eu lhe darei uma vela para encontrar seu caminho.

Conta-se que Buda falou que os Budas só mostram o caminho – você é que tem de caminhar. Eles não podem ir com você, pois é impossível outra pessoa leva-lo ao seu centro. Os Budas apontam o caminho, mas você é que tem de caminhar.

Quando a mente é aberta você se ilumina, mas sua mente cria sua própria prisão. A mente é um fechamento, a mente é uma porta fechada. O ser é uma porta aberta – esta é a única diferença. Quando a mente se abre, você se ilumina – você é um ser. Quando a mente se fecha – você é apenas um passado, uma memória, não uma vida, uma força viva. Com a mente fechada, você pode olhar apenas para fora porque como olhará pra dentro? A mente está fechada, a porta está fechada. Com a mente aberta você pode olhar pra dentro.
E ao olhar pra dentro você é totalmente transformado. Se você tiver um único vislumbre do interior, nunca mais será o mesmo. Então, poderá caminhar, poderá olhar pra fora e andar no mundo – poderá ser um comerciante, poderá ser um funcionário, poderá ser um professor, um açougueiro – você pode ser tudo que era antes – mas a qualidade terá mudado.
Os mestres dizem que um home iluminado vive do mesmo modo que um homem comum – sem nenhuma diferença exterior. Come quando sente fome, dorme quando sente cansaço – no exterior, nenhuma diferença. Apenas a natureza do ser, a qualidade do ser é que muda – Se sua mente está aberta, você pode olhar pra fora, mas nesse estado permanece dentro. Você pode andar pelo mundo, mas o mundo não é parte do seu ser. Pode fazer qualquer coisa que seja necessária, mas nunca fica apegado.

O Zen diz que a mente comum é a mente iluminada, com apenas uma diferença: a mente está aberta, acordada. O sono se foi, a inconsciência se foi. Você está alerta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua opinião é importante para mim. Deixe sua mensagem.