21 de dez de 2013

O sonho realidade


Quando Osho diz que é fácil abandonar o ego, ele não está dizendo que para você é fácil abandonar o ego. Ele diz que é fácil porque o próprio fenômeno do ego é irreal.

Ele diz:
Se o ego é falso, se o sonho é apenas um sonho, como pode ser difícil sair dele? Se um sonho é apenas um sonho como pode ser difícil abandoná-lo? O sonho não pode ser uma barreira. É por isso que o chamamos de sonho. É fácil sair de um sonho; e este é o significado quando digo que é fácil abandonar o ego.
Mas para você, o sonho ainda é uma realidade, não é um sonho. Para você o ego não é falso, é a única realidade. Tudo o mais é falso.
Perceba, nós vivemos em torno do ego. Buscamos jornadas cada vez mais egocêntricas – alguns buscam através da saúde, outros através do status, do poder, do prestígio, outros através da política, da religião. São milhares os caminhos. Mas no fim, o resultado, o objetivo, é o mesmo, cada vez mais fortalecer o eu, cada vez mais buscar o ego.
O problema é que para você ele é uma realidade, na verdade, a única realidade. O falso tornou-se real. É por isso que é difícil. Não porque o ego seja poderoso, não. Mas porque você ainda acredita nele, acredita em seu poder.
Quando digo que o ego é um sonho, você quer acreditar, porque já sofreu demais com ele – mas não sente a verdade do que estou dizendo. Se sentisse a verdade do que estou dizendo, você o abandonaria imediatamente. Nem mesmo perguntaria como fazê-lo.
Você apenas não vê a verdade do que estou dizendo. Se digo que ainda não percebeu que o ego é falso e pode ser abandonado, você faz disso uma esperança.
Já sofreu tanto com ele, que tem esperança de poder abandoná-lo, para que todo o sofrimento desapareça. Mas eu não estou lhe dando esperanças, você as está criando. E por ser falso, não será necessário nenhum esforço. Se você perceber este ponto, o ego desaparecerá.
Um homem corre assustado, teme morrer, corre de sua própria sombra. Você o faz parar e diz: Não seja tolo! Não há ninguém o perseguindo – é a sua própria sombra. Ninguém quer assustá-lo. Não há mais ninguém aqui além de você. Assustou-se com sua própria sombra.
Mas quando você começa a correr, a sombra também corre – mais depressa ainda. Quanto mais você corre, mais a sombra o persegue. A mente lógica dirá que você está em perigo. Ela dirá: Se quiser escapar, terá que correr mais ainda. Mas tudo que você fizer a sombra também fará. E, se não conseguir se livrar dela ficará cada vez mais assustado.
Mas se eu lhe disser: é só a sua sombra, ninguém o está perseguindo – e você compreender esse ponto, olhará para a sombra e perceberá que está acontecendo. Você perguntará como abandoná-la¿ Não, simplesmente rirá. Você já a abandonou! No momento em que você vê que é só uma sombra, que não está sendo seguido, ela já foi abandonada.
O mesmo acontece com o ego. Se você puder ver a verdade do que digo a coisa já aconteceu. Se você pergunta “como”, ainda não aconteceu, ainda não percebeu o ponto – mas fez disso uma esperança.
Todo o seu sofrimento surgiu por causa do ego, mas todos os seus prazeres também surgiram através do ego.
Perceba... Você se sente bem quando aplaudido por uma multidão. Seu ego se eleva, atinge um pico. Você gosta disso! Mas se a multidão o condena, você se sente ferido – cai num vale, numa depressão.
Através do ego, você tem conseguido prazeres e também sofrimentos. Quer abandoná-lo pelos sofrimentos, mas não pode abandoná-lo por causa dos prazeres.
Então quando digo que o ego pode ser abandonado facilmente, cria-se uma esperança em você. Não sou eu que a estou criando – e sim a sua avareza (sua mesquinhez). Ela não se torna uma compreensão, torna-se uma nova avareza. E você sente que há um jeito, que há um homem que pode ajuda-lo a abandonar o ego e toda a miséria criada por ele. Mas você está pronto para abandonar também todos os prazeres que o ego lhe proporciona¿
Se estiver pronto, será muito fácil – será como abandonar a sua sombra. Mas não pode ser só a metade. Ou desaparece tudo, ou tudo fica preso a você.
Todos os seus prazeres e todos os seus sofrimentos estão relacionados a um único fenômeno: você quer preservar os prazeres e abandonar os sofrimentos. Está pedindo o impossível.
E este é o problema, a complexidade; todas as esperanças são novamente alimentos para o ego. Mesmo a esperança de alcançar o paraíso, o céu, de tornar-se iluminado, é uma esperança. E a esperança em si é um alimento para o ego.
Quem está querendo tornar-se iluminado, desperto¿ Aquele que está tentando se iluminar é que é o problema. Jamais alguém se tornou iluminado. A iluminação, o despertar acontece, mas nunca alguém se torna iluminado. Quando a sala está vazia, a iluminação acontece.

Então, nesse momento, direcione sua atenção para dentro... E, sem pensamentos ou expectativas de qualquer natureza, penetre o vazio...
Quando não há ninguém para tornar-se iluminado, a iluminação acontece.

Então apenas flua... Momento presente...

Um comentário:

  1. Muito bom o texto!

    Osho é o meu profeta! Ainda estou muito longe do abandono do ego, este ainda vive em mim.

    Apenas tento não alimentá-lo mais.

    ResponderExcluir

Sua opinião é importante para mim. Deixe sua mensagem.